Os desafios dos trabalhadores na Sociedade Beneficente Espírita Bezerra de Menezes

De janeiro a novembro de 2018, 25 mil pessoas buscaram atendimentos na Sociedade Beneficente Espírita Bezerra de Menezes (SBEBM). Esse número envolve somente as atividades de Atendimento Fraterno pelo Diálogo e Orientação Mediúnica Espiritual sem contabilizar os frequentadores das palestras e dos passes, entre outros trabalhos prestados por 1500 voluntários. A conclusão dos dados totais de atendimentos está prevista para o final de janeiro. A procura constante pelas atividades revela o compromisso dos trabalhadores que se baseiam nos princípios básicos do espiritismo.

Há um ano a direção da SBEBM é de Maristela Winkler que chegou ao local há 25 anos após estudar as obras básicas e os livros de André Luiz. O autodidatismo fez que ela se sentisse espírita mesmo antes de fazer parte da Casa que possui cem anos. Após a orientação espiritual, ela frequentou a escola de médiuns, e desde a conclusão dos estudos em 1995, é voluntária no local. “As coisas mais felizes e as mais tristes da minha vida aconteceram quando já fazia parte dessa Casa: o nascimento dos meus filhos e a partida
para a pátria espiritual do meu primeiro filho e dos meus pais”, revela.

No entanto, Maristela acredita que a SBEBM possibilita uma nova visão das questões naturais de existência dos ciclos da vida e dos desafios a serem enfrentados. “A doutrina nos fortalece e nos dá todo um significado para nossa existência, pois a nossa vida é continuação da anterior e sucessivamente. Percebi que a espiritualidade e os bem feitores
espirituais me conduziram, e ao estudar, entendi o que aconteceu e o que viria acontecer em minha vida”, conta.

Mudanças
Desde o início da atual administração da SBEBM em 1º de janeiro de 2018, ocorreram implantações de ações planejadas e submetidas ao Conselho Deliberativo. Uma delas é o Fórum de Ideias e Debates realizado em setembro com apresentação de resultados, questionamentos, propostas aceitas e sugestões ainda não possíveis de serem executadas.
O Fórum segue aberto e os interessados podem deixar propostas e questionamentos numa caixa na entrada da SBEBM e aguardar o retorno.

Outra ação é a do grupo de Apoio e Valorização à Vida para Jovens e Adolescentes. “Desde o primeiro dia o grupo conta com assistidos. Isso mostra o quanto a espiritualidade aguardava essa oportunidade. Inicialmente, pensamos que teríamos apenas os trabalhadores estudando e revisando a bibliografia, contudo, para a nossa surpresa existiam assistidos”, comenta a espírita. Nesta gestão, também teve a implantação do Laboratório dos Sentimentos com a proposta de autoconhecimento. “A transição planetária torna necessário que cada um se conheça, entenda seus próprios limites e reconheça os sentimentos e as emoções para entender facilidades e dificuldades diárias nas provas a serem vivenciadas”, acrescenta Maristela.

A diretora-presidente da SBEBM observa que foram feitas modificações administrativas e em procedimentos operacionais para facilitar a gestão de cada nova administração, bem como o conhecimento dos processos feitos e a transição dos grupos. Outra ação destacada por Maristela é a reativação da gestão socioambiental com a implantação do Bezerra Mais Verde. Com esse projeto existem plantas e vasos nos estacionamentos e a humanização
pela pintura de paisagens, o que promove o bem-estar inclusive pelo que os olhos veem. Os projetos-piloto da 1ª Feira do Artesão com a valorização desses profissionais e participação da comunidade e a oficina de meditação somam-se às iniciativas. “Ambos foram positivos e terão continuidade. A oficina foi bem interessante, teve a sala cheia e continuaremos no próximo ano”, avalia.

Desafios
De acordo com Maristela, existem muitos desafios em 2019 na SBEBM como o fortalecimento dos trabalhos e a continuidade das modificações na área administrativa. Entre eles estão a análise de todas as ações praticadas, a revisão das necessidades e o fortalecimento das atividades com bons resultados. Os desafios englobam um projeto para os jovens com o objetivo de gerar maior adesão deles nas questões da Casa, já que serão os futuros líderes, e outro projeto voltado à evangelização que começou pelo Grupo de Apoio aos Pais Gestantes.

“Queremos estar cada vez mais prontos para promover um maior bem possível e ampliar a atuação da Casa nos atendimentos em nível social, assistencial e na gestão socioambiental por entendermos que faz parte da evolução espiritual da humanidade, que contribui para um mundo feliz o qual esperamos viver”, esclarece. Com esse intuito e para ampliar os atendimentos, foi adquirida uma casa ao lado da SBEBM que está com cerca de 30% do valor pago, mas a quitação da dívida depende de novas doações.

Além do Atendimento Fraterno pelo Diálogo e da Orientação Mediúnica Espiritual, há na SBEBM: preces e irradiações, palestras doutrinárias, passes, evangelização da infância e da juventude, evangelização de bebês, atividades ligadas aos assuntos e apoio à família, à boa idade e aos pais gestantes, oficina do Evangelho, palestras para os pais da Evangelização, atendimento especializado, feiras de patchwork, curso de esperanto, Recanto Conte Mais, entre outras atividades.

Experiência
O Conselho de Administração da SBEBM conta com os departamentos de Atendimentos, Espiritual, Educação Espírita, Cultural e Administrativo. Maristela foi membro e presidente duas vezes do Conselho Deliberativo, que é o responsável pelo cumprimento das normas estatutárias e pelo acompanhamento das ações do Conselho de Administração. Mensalmente, o Conselho Deliberativo recebe a ata das atividades, podendo deliberar a favor ou solicitar outro posicionamento.

“Atualmente, estamos abrindo a reunião do Conselho de Administração para que o Conselho Deliberativo participe, facilitando a comunicação, o diálogo e a transparência. Fizemos o Portal da Transparência e trabalhamos com o Fórum de Ideias e Debate para que as pessoas façam sugestões e participem das decisões. Entendemos que o fórum dá mais representatividade para nossas ações e abrimos para que os trabalhadores façam parte do processo de administração da Casa que é dos associados”, explica.

A experiência no Conselho Deliberativo de Maristela facilitou na sua atuação como diretora-presidente do Conselho de Administração. Segundo ela, não é uma tarefa fácil administrar a SBEBM, mas com muito amor, dedicação e o melhor a ser feito, consegue-se o cumprimento das metas. “O nosso trabalho é de acolhimento e para que ele ocorra temos que proporcionar todas as condições que são amorosidade, afetividade, colocar-se no lugar do outro, empatia e alteridade para entender que as pessoas são diferentes umas das outras e não é por pensarem diferente que não vamos aceitá-las. Além disso, cada ser tem a sua dor, porém, ninguém fica só na dor ou só no amor. Essa mensagem é muito bonita para ser passada”, finaliza Maristela.